Redes Sociais

CD de Gols

CD de Gols

Como surgiu a ideia:

Em meados de 1998, num bate papo com  jornalista Erasmo Ângelo (editor da Revista do Cruzeiro à época), entre uma cerveja e outra comentávamos sobre o acervo de gols que a Rádio Itatiaia tem, também sobre todos os anos de narração esportiva em especial narrando jogos do Cruzeiro, Alberto Rodrigues lembra que também possui fitas gravadas dos jogos num trabalho feito por seu filho Luciano, ambos comentam o quanto seria pioneiro o lançamento de um CD contendo uma coletânea de gols. Surge aí o primeiro projeto.

 

As etapas de entendimentos foram sendo cumpridas, primeiro com o Presidente Zezé Perrella para autorização do uso do nome Cruzeiro. Perrella não apenas vibrou com a ideia, como também brincou : “E vocês já podem reservar desde já o meu CD”. Depois, com o jornalista Emanoel Carneiro, diretor-presidente da Rádio Itatiaia, que num gesto elegante, não apenas colocou à disposição o fabuloso arquivo de gols da Itatiaia para a escolha das trilhas dos jogos a serem usadas no CD, como também destacou a importância do projeto no contexto histórico do futebol mineiro.

 

O projeto do CD e sua preparação técnica passou a evoluir a partir do final de janeiro de 1999, conforme listagem preparada por Alberto Rodrigues, que tem catalogados todos os jogos do Cruzeiro por ele narrados, o departamento técnico da Rádio Itatiaia em minucioso e notável trabalho, separou os gols. O minucioso trabalho técnico final de montagem, masterização e mixagem, foi feito no Estúdio Osfaria, seu próprio diretor, o publicitário Bob Faria, se encarregou pessoalmente  de todo  delicado trabalho de montagem.

 

Mas se você não é cruzeirense, não interrompa a leitura e nem deixe de ouvir os CDs só por isso. Ali há coisas que interessam a todo amante de futebol, mesmo o mais empedernido dos atleticanos. É o caso por exemplo dos comentários do lendário Kafunga. Entre um gol e outro, de Joãozinho, Nelinho ou Carlos Alberto Seixas, dá para matar a saudade do velho goleiro ouvindo novamente sua saudosa tirada : “Não tem coré-coré, gol barra limpa.” Há ainda cantos da torcida no Mineirão e o hino oficial do Cruzeiro.

 

São gols que retratam épocas diferentes, jogadores de várias gerações, decisões históricas e jogos sempre rememorados pelo torcedor, e narrados pela “Voz Azul da emoção” como se convencionou chamar Alberto Rodrigues.

 

Considerado por críticos e analistas como um documento sonoro histórico para o futebol mineiro e uma relíquia para a torcida, pois os CDs permitem ao seu ouvinte reviver emoções fortes de gols memoráveis do Cruzeiro pela Copa Libertadores, Supercopa, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, títulos mineiros, decisões históricas, clássicos empolgantes e craques inesquecíveis.